terça-feira, 19 de junho de 2012

Capítulo 3


Sentiu alguma coisa gelada e molhada em seu rosto e abriu os olhos com dificuldade. A respiração ofegante do pequeno cachorro atingiu seu rosto e ele choramingou baixo. 


- Ah, não! – Joe reclamou afastando o cachorro e passando a mão pelo rosto babado. – Que nojo, Harte! – Sentou na cama fazendo careta. Ele odiava ser acordado pelo labrador, que insistia em lamber seu rosto. – Porque você nunca acorda a Dem, hein? – Observou o cachorro o olhar balançando o rabo e desistiu de entender por que só ele era sua vitima todas as manhãs. 


Se levantou esfregando os olhos e deu um olhada rápida no relógio do criado mudo que indicava pouco mais de nove da manhã. Entrou no banheiro para fazer sua higiene matinal e o labrador, que agora tinha pouco mais de três meses, entrou junto.


- Até aqui você me persegue. – Reclamou olhando o cachorro se sentar perto do vaso sanitário e o observar enquanto escovava os dentes. Passou água pelo rosto e bagunçou os cabelos numa tentativa frustrada de arrumá-los.
Desceu as escadas observando Demi encolhida no sofá, a respiração era calma e pausada e os cabelos estavam espalhados pelo travesseiro quase formando um leque perfeito. Desviou o olhar para as pernas descobertas dela e respirou fundo balançando a cabeça antes que algum pensamento impróprio surgisse.
Caminhou até a cozinha ainda com Harte em seu encalço que balançava o rabo sem parar.


- Cara, larga do meu pé. – Reclamou baixo pegando um suco na geladeira.


Demi se mexeu um pouco e o cachorro foi até lá sentando em frente ao sofá. Joe balançou a cabeça pensando que aquele cachorro só podia ter alguma coisa contra ele, por que com Demi ele apenas observava e nunca lambia o rosto dela a acordando?
Foi até onde Harte estava sentado e parou também observando a menina dormir, não faria mal se ele a acordasse da mesma forma, afinal o cachorro era dela.
Sentou em frente ao sofá e pegou Harte no colo resmungando quando o cachorro lambeu seu rosto, que mania desagradável! Aproximou-se de Demi e botou o cachorro bem na frente do rosto dela. Esperou alguns segundos até que finalmente Harte resolveu lamber a dona.
Demi resmungou alguma coisa e o cachorro começou a balançou o rabo lambendo novamente seu rosto.


- Não! – Falou sem abrir os olhos, cobrindo o rosto com uma mão. Joe riu baixo. – Pára, Joe! – Resmungou afastando o cachorro.


- O cachorro é seu, e ele me acorda todos os dias assim! – Deu de ombros. – Por sinal, ele precisa de um banho. Acorde e vá dar banho nele! – Deu um beijo na testa da menina e se levantou botando o cachorro no sofá junto com ela.


- Harte, você tá fedendo! – Reclamou tirando o cachorro do sofá. 


- Tirar ele do sofá não vai melhorar a situação! – Joe falou fazendo a menina bufar. – Vai logo, Dem! Vem tomar café e depois você dá banho nele.


- Você me ajuda? – Perguntou manhosa ainda deitada. Joe ficou em silêncio. – Quem cala consente! – Riu. 


- Levanta, Demi! – O menino falou num tom engraçado.


- Aaai, que saco! – Demi se sentou passando a mão pelo cabelo e prendendo-o em um coque frouxo. Se levantou entrando no banheiro em seguida, escovou os dentes e molhou o rosto com água gelada numa tentativa de acordar. – Ok, levantei! – Sorriu sentando na bancada da cozinha.


- Ótimo, agora come e depois dá um banho no vira-lata! 


- Hei, vira-lata o cacete! Respeite meu labrador lindo! – Ela mandou beijo para o cachorro que a observava deitado no chão e Joe riu. – Vai me ajudar, não vaai? – Insistiu olhando para o primo. – E não venha com o papo sobre responsabilidade. Você não tá fazendo nada, não custa me ajudar! – Reclamou.


- Cara, era tão mais legal quando você não falava! – Joe fez careta balançando a cabeça.


- Era! Até eu falar minha primeira palavra e nunca mais te deixar em paz! – Demi brincou e os dois sorriram.



# Flashback (16 anos antes)

Demi engatinhou pela sala até o pequeno urso de pelúcia que estava em cima do sofá e com algum esforço ficou de pé, apenas a tempo de segurar o urso, depois caiu sentada. Olhou para a mãe ainda em dúvida se chorava ou ria, quando a mãe sorriu, ela faz o mesmo.
Resmungou alguma coisa indecifrável levantando o objeto em sua mão.


- Você gosta do ursinho que o Joe te deu, meu amor? – Sua mãe perguntou sorrindo. A menina deu um de seus típicos gritinhos animados, mostrando sua boca ainda sem dentes.


Emily observou a filha brincar com o pequeno urso branco que segurava um coração com as duas mãos. Entre tantos outros brinquedos espalhados pela sala, o único que Demi realmente dava atenção era ao que Joe tinha lhe dado em seu aniversário de um ano.
A menina engatinhou até o colo da mãe e apontou um porta-retrato que estava na mesinha ao lado do sofá. Emily sorriu pegando objeto que continha uma foto de Joe segurando Demi no colo, a foto fora tirada em um das milhares de vezes em que o garoto ia para a casa da tia e passava o dia inteiro brincando com a prima e fazendo-a rir.
Demi botou a mão na foto e sorriu para a mãe.


- É o Joe esse aqui? – Perguntou brincando e a menina riu batendo a mão na foto, animada. Emitiu um som pela boca como se quisesse falar alguma coisa e a mãe sorriu. – Você gosta muito do Joe, não, é meu amor? – Perguntou amorosa.


- Joe! – A menina falou de um jeito embolado, mas claro e alto.


Emily abriu a boca tentando falar alguma coisa, mas não emitiu som algum. Aquela era a primeira palavra que Demi falava, e ela ainda piscava os olhos fortemente sem saber se fora realmente real. Sua bebêzinha, sua menina... tinha acabado de falar a primeira palavra, e ela fora simplesmente o nome de seu primo.
Pegou o telefone rapidamente e digitou o numero da casa de sua irmã. Depois de três toques, a mesma atendeu.


- A Dem falou! A Dem falou a primeira palavra dela!! – Gritou animada e a filha a olhou sem entender.


- Aw, perdi esse momento! – A tia se lamentou. – E o Joe adoraria ter visto também! – Pensou em como o filho sempre tentava fazer com que Demi falasse.


- Ele adoraria mesmo, ainda mais se soubesse que foi o nome dele que ela falou! – Disse ainda sem acreditar e a irmã ficou alguns instantes em silêncio.


- Tá falando sério? – Perguntou incrédula e a irmã riu do outro lado da linha.


- Completamente sério! Ela simplesmente pegou o porta-retrato que fica aqui na sala, aquele em que o Joe tá segurando ela no colo, e quando eu menos esperava ela falou 'Joe!' – Riu.


- Ai-meu-Deus! – Olhou a foto de Joe com Demi que fora tirada no mesmo dia em que a outra e sorriu. – Seria loucura minha pensar que esses dois foram... destinados um pro outro? – Falou sem nem ao menos acreditar nas próprias palavras.


- Eu não sei. – Emily respondeu nervosa. – Eu ainda to tentando absorver o fato de a minha filha ser o único bebê que não disse 'mamãe' da primeira vez que conseguiu falar! – Riu nervosa. 


- Olha, eu vou pegar o Joe na escola daqui a pouco e nós vamos ai, ok? 


- Tudo bem! – Falou rápido desligando o telefone.


Demi estava sentada no chão, abraçando o ursinho branco e observando a foto.
Emily pensou no que a irmã dissera; "Destinados um pro outro."
Ela não acreditava nesse tipo de coisa, mas ela sabia que a relação da filha com o sobrinho era intensa demais para duas crianças. Cada gesto e sorriso que os dois partilhavam eram como se fossem secretos e só eles pudessem entender, como se os dois vivessem em um mundo diferente, um mundo que eles dois construíram e ninguém fosse capaz de entender.



# End of flashback

- Joe, me passa o shampoo? – Demi pediu enquanto segurava o cachorro que insistia em querer fugir do banho. – Harte, fica quieto! Você precisa de um banho! – Falou impaciente.
Joe passou o produto para a menina que agradeceu rapidamente e botou uma grande quantidade sobre o pêlo do animal.

- Dem, você tá botando muito, vai fazer muita espuma! – Joe reclamou sentado no chão com as costas na parede.


- É a intenção, oras. Ele tá fedendo! – Resmungou espalhando o shampoo pelo cachorro que continuava inquieto. – E você não tá ajudando, então não reclama! – Deu de ombros fazendo o primo rir.


Joe sorriu observando Demi bufar impaciente cada vez que Harte tentava fugir. A menina tinha espuma até no cabelo e o cachorro escorregava pelo chão molhado do banheiro. Quanto mais ela reclamava, mais o cachorro insistia em se mexer e fugir das mãos da dona.


- Joe, pára de rir! – A menina gritou sem controlar a própria risada. – Que droga, esse cachorro não fica quieto! – Puxou o animal para seu colo que já estava todo molhado e cheio de espuma.


- Vai, deixa eu te ajudar senão você só vai terminar esse banho amanhã! – Joe engatinhou até onde Demi e Harte estavam e pegou o cachorro. – Eu seguro e você dá o resto do banho. – Falou segurando firme o cachorro que ainda balançava o rabo sem parar.
Demi passou o shampoo por todo o pêlo do cachorro deixando a espuma se acumular e riu quando percebeu que o cachorro estava praticamente branco com tanta espuma.


- Falei que ia fazer muita espuma. – Joe falou com um ar superior.


- Joe... – Demi falou calma e quando ele a olhou, a menina passou espuma pelo nariz dele.


- Ah, não, Demi! – Ele reclamou tentando limpar, mas a menina passou espuma em sua bochecha também. – Dem, pára! – Falou rindo já que a menina gargalhava descontroladamente.

Segurou Harte com apenas uma mão e com a outra melou a testa da menina com espuma. O cachorro começou a latir enquanto os dois riam com os rostos sujos.

- Aw, vem cá, meu amor! – Pegou o cachorro no colo e ele lambeu sua bochecha. – Argh, não! Sem lamber, Harte! – Reclamou passando a mão pela bochecha que ficou cheia de espuma. Joe riu da situação dos dois.


- Tá, chega de tanta espuma. Termina logo de dar banho no pulguento! – Segurou novamente o cachorro enquanto a menina pegava o chuveiro e começava a tirar o shampoo do cachorro.

- Finalmente! – Joe resmungou quando finalmente terminaram de dar banho no cachorro. A menina pegou rapidamente uma toalha e começou a passar no pêlo do animal.


- Agora fica quieto, Harte! – Demi sacudiu um pouco o cachorro que parou de balançar o rabo. O braço dela começou a doer por causa do esforço e ela parou de secar o cachorro, no mesmo instante ele se sacudiu espirrando água pra todos os lados.


- Aaaai, meu olho! – A menina reclamou fechando rapidamente o olho esquerdo e apertando com a mão. – Droga, Harte! – Choramingou sentindo o olho arder.


- Consegue abrir o olho? – Joe perguntou se aproximando da menina que balançou a cabeça negativamente. Ele tirou a mão dela do olho e segurou seu rosto. – Tenta. – Ele pediu observando a menina com os dois olhos fechados.


- Mas tá ardendo. – Reclamou tentando botar novamente a mão, mas Joe não deixou.
Com cuidado, Demi abriu primeiro o olho direito e depois o olho esquerdo. Piscou várias vezes sentindo-o lacrimejar até que finalmente conseguiu deixá-lo aberto e se assustou com a proximidade do rosto de Joe. Conseguia sentir suas respirações se misturando e o perfume dele que a deixava um pouco tonta.


- Ainda tá doendo? – Ele perguntou carinhoso e ela balançou a cabeça negando.


- Só arde um pouco. – Falou com a voz fraca. A proximidade de Joe a deixava insegura e nervosa, e ela se achava uma boba por isso.


Joe tentou sair daquele momento um pouco embaraçoso, mas seus olhos se prenderam nos de Demi e ele não conseguiu os desviar por mais que tentasse. Os olhos dela atraíam os seus e ele sentia suas mãos implorarem por algum contato com a pele dela, aquela atração o assustava e o deixava nervoso e inseguro.
Demi controlou a vontade de se aproximar ainda mais de Joe, só mais um pouco e ela poderia sentir o calor que emanava da pele dele, e o gosto de sua boca que lhe parecia tão convidativa. Ela podia quase tocar aquela tensão que tinha se instalado entre eles, mas tinha medo de quebrá-la.
Num impulso, Joe se aproximou na menina e sentiu que ela prendeu a respiração no mesmo instante em que Harte deu um latido e novamente se sacudiu espalhando ainda mais água pelo banheiro.


- Não, Harte! – Joe segurou o cachorro quando ele ia sair do banheiro.

Demi soltou lentamente a respiração e olhou para a toalha em seu colo. Teve medo de ter sido apenas a imaginação dela, mas Joe estava bem ali em sua frente, com as bochechas levemente rosadas e segurando o cachorro sem jeito.

- Vem aqui, Harte. – Falou baixo puxando o cachorro para si e voltando a enxugá-lo. – Joe, pega o secador pra mim? – Pediu sem coragem de levantar os olhos e encarar o primo que concordou silenciosamente.

Quase vinte minutos depois o cachorro estava seco e eles saíram do banheiro ouvindo os latidos animados do animal. Joe foi até a cozinha pegar uma água e Demi ficou parada no meio da sala, ainda desorientada.

- Er... eu vou tomar banho! – Falou finalmente olhando para o menino e sentindo as bochechas arderem. Entrou no banheiro rapidamente e escorregou até o chão respirando fundo.
Joe se jogou no sofá e respirou profundamente observando teto branco do loft. Desde quando ele simplesmente deixava Demi exercer toda aquela força de atração sobre ele? Onde estava seu auto-controle? Aquilo o deixava assustado e ele preferia não pensar nas conseqüências que aquilo poderia trazer para a nova situação deles.



Continua...


Gente desculpa a demora pra postar é que eu tava atolada em provas.

8 comentários:

  1. OMG!
    Tinha que se beijar, se não fosse o Harte. . .
    POSTA LOOOGOOO!

    ResponderExcluir
  2. Amei :)
    Estou adorando essa tensão sexual entre eles e a relação deles é linda.

    ResponderExcluir
  3. AAAAAmei! Selinho para você la no blog amr! bjbj.

    http://jemiabs.blogspot.com.br/2012/06/omg-quanto-selinho.html

    ResponderExcluir
  4. Poxa Harte... Estragou o momento Jemi...
    Nova seguidora :D amando a historia, ta perfeito

    Posta logo
    Kisses

    ResponderExcluir
  5. Leito nova *---*
    put'z Harte malvado atrapalhando o momento Jemi,amei a historia nova são esse tipo de historia que me atraem:)

    ResponderExcluir
  6. POSTA LOGO TO SUPER CURIOSA

    ResponderExcluir